11 fevereiro, 2010

Poesia popular: pra rir e chorar

O Perfeito Kassetab, conversando com seus botões:
(eu não consegui imaginar uma conversa melhor).

Me diverte a tirania,
Só pra ver se o povo aguenta
Mas se êle protestar,
Dou-lhe muuuiiito... gás pimenta.

Quero acabar com esse povo
Muito espero conseguir,
Este é o meu melhor projeto...
E nele vou investir:

Prometo não dar sossego,
Nem de noite nem de dia,
Pra ver o povo atormentado...
"Credo em cruz, Ave Maria".

Pra que escola, pra que creche?
Vai e volta nem pensar,
Penso que filho de pobre...
Não precisa estudar.

Minha tão famosa AMA,
Quem vai lá volta de ré,
Bem melhor voltar pra cama...
E se agarrar na fé.

Ônibus superlotado,
Trânsito engarrafado,
Tarifa dois e setenta...,
Só pra ver se o povo agüenta.

Bilhete bem reduzido,
Benefícios só mingüando,
Vão pro Metropolitano...
Que este aqui não está prestando.

Nas praças crescendo mato,
Nas ruas muito buraco,
Mas se o povo reclamar
Mando não me encher ... (sou educada) o caco.

Na cidade muito entulho,
Aumento de IPTU,
E quem não estiver gostando,
Vou mandar tomar... (sou educada) caju.

Eu não vou limpar os ralos,
Tomara que chova mais!
Ver o povo no sufoco...,
É o que mais me satisfaz!

Não sei mais que mal eu faço
Pro "problema" ter um fim,
Inda acabo com esse povo...
Quem mandou votar em mim?
(a voz da consciência ou do além: - foram lubridiados, coitados!)

Vera Goulart -