05 abril, 2008

20 mil crianças morrem por ano em conseqüência da falta de saneamento

Fonte: Adital

Mais de 40% das crianças menores de 5 anos na América Latina não têm acesso adequado a saneamento. Cerca de 20 mil delas morrem anualmente antes de completar essa idade em conseqüência de doenças desenvolvidas pela falta de saneamento. Os dados são do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).
Para Ann Veneman, diretora executiva do Unicef, "a ausência de saneamento adequado tem sérios impactos sobre a saúde e o desenvolvimento social, especialmente para as crianças. Os investimentos na melhoria do saneamento acelerarão o progresso até o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e salvarão vidas".

Na América Latina e no Caribe, 124 milhões de pessoas não possuem instalações de saneamento melhorado. Assim, elas são obrigadas a usar meios como a defecação ao ar livre e instalações deficientes para a disposição de suas excretas. Só 14% das águas residuais da região são tratadas, enquanto 40% dos resíduos sólidos não são dispostos adequadamente, contaminando a terra e os corpos d’água.

A falta de saneamento afeta não apenas às pessoas que vivem em áreas carentes desses serviços, e sim a toda a sociedade, pois mais de 75% das águas residuais do mundo são jogadas no meio ambiente sem tratamento algum, contaminando as mesmas fontes de águas que usamos para beber.

Leia mais aqui.
Postar um comentário